Booking.com
vicus caprarius roma
Roma secreta

Roma subterrânea: a cidade da água que abastece a Fontana di Trevi

Em Roma nem tudo é o que parece. Basta munir-se de uma dose de curiosidade, aguçar a vista, vasculhar as esquinas escondidas ou fugir das multidões para descobrir algo inesperado. Todos os dias o roteiro se repete na cidade eterna. Centenas de turistas que esbarram uns nos outros para não perder de vista aquele guarda-chuva colorido que um guia levanta na esperança de distinguir-se no meio da aglomeração.

Fontana di Trevi, Roma

Pessoas empurram um “vizinho” de selfie para conquistar o melhor ângulo para uma foto recordação diante da Fontana di Trevi. Enquanto ajeitamos o cabelo ou retocamos o batom antes da pose, o risco é aquele de perder os detalhes.

Roma subterrânea

Você já reparou, por exemplo, que aquele que parece um único monumento na verdade foi construído apoiando-se na fachada de um edifício preexistente? A Fontana di Trevi uniu-se perfeitamente à fachada do Palazzo Poli, até 1678 chamado de Palazzo Ceri, enganando o olho de quem a observa rapidamente.

Cinema Trevi em Roma, Itália

A poucos metros do grande público e da fonte mais famosa da capital existe outro lugar que também não é o que aparenta. No Vicolo del Puttarello fica o pequeno Cinema Trevi, uma sala onde é possível assistir filmes da Cineteca Nazionale.

Città dell´Acqua, Roma

É preciso entrar em silêncio para descobrir, nos subterrâneos da sala de cinema, os vestígios do “Vicus Caprarius” ou “Città dell’Acqua” (cidade da água), um complexo de época imperial. Para que ninguém volte desse passeio decepcionado, adianto que o espaço não é muito amplo e que além de uma boa dose de imaginação, o ideal é visitar o complexo acompanhado por um arqueólogo. Essa é a melhor maneira de assimilar tantas informações que você dificilmente encontraria em um guia turístico e de entender melhor a história de Roma. Eu reservei o passeio com a associação I Viaggi di Adriano.

subterrâneo Fontana di Trevi

Parece incrível, mas do cinema você descerá a sete metros de profundidade para descobrir restos do aqueduto virgem, uma das maiores obras de engenharia romana, e vestígios de um verdadeiro bairro como uma “insula” – uma espécie de condomínio popular – circundado por “tabernae” (lojas), um edifício público e uma cisterna. A área foi descoberta entre 1999 e 2001, durante a reforma do cinema, e se trata de um exemplo perfeito de como os romanos não destruíam edifícios mais antigos, mas utilizavam as suas estruturas como base para novas construções.

Vicus Caprarius, Fontana di Trevi

Com uma extensão que provavelmente atingia os 2 mil m², a parte mais antiga do “Vicus Caprarius” foi realizada durante o império de Nero (55-68 d.C). A “insula” era um edifício popular, geralmente com um pátio interno. Em sua parte mais baixa ficavam lojas e laboratórios de artesãos, enquanto os apartamentos no alto, de menor prestígio, eram de uso residencial. O complexo não possuia banheiros e para a higiene os seus moradores utilizavam as termas ou os banheiros públicos.

Roma, Itália

Por volta do IV século essa construção foi transformada em uma luxuosa “domus” , residência de uma família rica decorada com mármores de várias cores. A outra construção presente no do “Vicus Caprarius” provavelmente possuía dois andares, onze metros de altura e servia como base para um edifício público. Durante o império de Adriano (117-138 d.C), aproveitando a proximidade do Aqueduto Virgem, o complexo foi completamente transformado e os seus vãos serviram para uma cisterna hídrica ou tanque com capacidade de 150 mil litros.

Vicus Caprarius, Fontana di Trevi

O aqueduto abastecia principalmente as termas de Marco Agrippa, inauguradas na área do Campo Marzio em 12. a.C. Na época, os romanos já mostravam a própria genialidade inventando até um sistema de impermeabilização. Ainda hoje o aqueduto alimenta as principais fontes do centro histórico, incluindo a Fontana di Trevi e no “Vicus Caprarius” você verá a água que escorre no subsolo de Roma. Os vestígios arqueológicos podem ser percorridos e admirados graças a passarelas transparentes que dividem a parte mais baixa do complexo daquela superior, onde em época medieval também existiam residências particulares. No local também são exibidos objetos de uso cotidiano como ânforas e moedas romanas.

Fontana di Trevi em Roma, Itália

Visitar a área do “Vicus Caprarius” é realizar uma viagem no tempo. “ – Que maravilha! “, sussura uma visitante ao meu lado, quase temendo que o passeio tenha chegado ao fim. Como um mergulhador, voltamos à superfície com passos lentos e recuperando o fôlego. Lá fora a multidão. Nós, quase orgulhosos por folhear em poucos uma página da história romana.

Vicus Caprarius: Vicolo del Puttarello, 25. Aberto de terça a sexta das 11h às 17h 30 e aos sábados e domingos das 11h às 19h. Ingressos: 3 euros. Se quiser realizar a visita guiada por um arqueólogo da associação I Viaggi di Adriano a tarifa é de 15 euros e o passeio dura 2 horas.
Como você pode contribuir com a atualização constante do Post-Italy.com? Contratando os serviços de nossos parceiros afiliados. Reservando qualquer hotel na caixa de busca do Booking.com presente aqui no site sem pagar nada a mais por isso, comprando antecipadamente aqui os ingressos para os principais monumentos italianos com a nossa parceira Get your Guide ou adquirindo ingressos para shows nos banners que você encontra na lateral direita do site. Obrigada!

This article has 6 comments

  1. Denya

    Oi Anelisa, que post espetacular, meus parabéns!!!
    Abs de Firenze.
    D

  2. anelise sanchez

    Obrigada querida! Fico feliz com o elogio! 🙂

  3. leandro

    Sensacional. Um achado arqueológico.
    Parabéns Anelise.

  4. anelise sanchez

    Grazie mille, Leandro!

  5. Luísa

    Parabéns pelo post. Amo essas programações arqueólogicas em Roma. Continue compartilhando sempre!

  6. anelise sanchez

    Obrigada Luísa! Fico muito feliz com o elogio! Buona giornata! 🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *